12.7.16

até percebo a intenção mas foi um tiro nos pés

A Agência Brasileira de Inteligência deu início a uma campanha contra o terrorismo. O objectivo é alertar as pessoas para a possível presença de terroristas. E para isso decidiram recorrer a duas frases. "Utilizam roupas, mochilas e bolsas destoantes das circunstâncias e do clima". E ainda "agem de forma estranha e demonstram intenso nervosismo". Tudo isto numa imagem partilhada nas redes sociais.


Eu compreendo o objectivo desta acção. Acredito que tenha como missão fazer com que as pessoas fiquem alertas em relação a uma realidade terrível que está a deixar mais de meio mundo com medo de tudo e de todos. Mas creio que exageraram um pouco quando recorrem a "roupas destoantes". E este exagero não tem escapado a ninguém com dezenas de imagens de pessoas que se enquadram neste perfil partilhadas nas redes sociais como uma piada em alusão à campanha.

Por exemplo (e tendo por base as fotografias que costumo ver) se estivesse dentro de uma loja Walmart (não é no Brasil mas é o melhor exemplo de pessoas completamente diferentes do que é considerado normal juntas num só espaço) ia a correr chamar um Polícia. "Os terroristas estão todos ali dentro", era o que diria. "Então porquê?", perguntava. "Usam roupas destoantes das circunstância", seria a minha explicação. E este é o primeiro exemplo que me ocorre pois poderia dar muitos outros de grupos de pessoas que se vestem de determinada forma que facilmente se enquadra neste perfil de terrorista.

Estão a chegar os Jogos Olímpicos. Acredito que as autoridades brasileiras temam ataques numa altura em que o mundo estará com os olhos postos no Rio de Janeiro. Mas com campanhas destas, e caso as mesmas sejam seguidas à letra, arriscam-se a ter os agentes de autoridade todos ocupados com pessoas que têm a certeza de que acabaram de ver um suposto terrorista na rua. E aquilo que tinha por objectivo ajudar passa a ser algo que ninguém leva a sério com a quantidade de alertas desnecessários.

Sem comentários:

Publicar um comentário