4.8.21

cleo pires e o sexo, polémica e sedução

Um furacão. Esta talvez seja a melhor definição para Cleo Pires, actriz, de 38 anos, que é filha da Gloria Pires e do cantor e ator Fábio Júnior. Falar de Cleo Pires obriga a falar de polémica. A maior delas remonta à altura em que era adolescente. Uma publicação brasileira fez capa com um triângulo amoroso de contornos polémicos. Cleo Pires teria sido apanhada na cama com o marido da mãe. Um boato que a persegue até aos dias de hoje. E Cleo Pires assume ter sido um momento complicado. 


A vida de Cleo Pires dava um cocktail explosivo. Com ingredientes como beleza, sedução e erotismo. A actriz é considerada uma das mais belas e sensuais mulheres brasileiras. Qualidades que podem facilmente ser confirmadas nas sessões fotográficas que protagoniza. E que são de cortar a respiração. Fazendo também com que o número de batidas do coração aumente exponencialmente. Principalmente quando é a ousadia que se destaca nas imagens. Curiosamente, é dos cabelos que Cleo Pires gosta mais. Quanto ao corpo, gostava de ser “mais durinha, mais firme”, revelou numa entrevista. 


Este texto não podia chegar ao fim sem falar de sexo. Tema que não tem tabus para a actriz. Que recentemente confessou já ter feito sexo a três, com dois homens. A sessão de sexo foi num local público e com algemas. A atriz revelou ainda ter algemas em casa para os momentos em que deseja sexo mais selvagem. A isto acrescentou outra revelação: já traiu e não se sentiu culpada. 


Mais uma vez, instalou-se a polémica. E mais uma vez, bem ao seu estilo, Cleo Pires respondeu aos que a criticam. “Não sei por que o espanto. Quem faz a polémica são vocês puritanos e e hipócritas. Não fui a primeira e única a transar com dois caras. Me poupem, Vão arranjar uma vida”, partilhou nas redes sociais.






Diversas mulheres partilham a ideia de que desapertar o soutien depois de chegar a casa corresponde a um dos melhores momentos do dia. Um ato que levanta a questão da real necessidade do uso de soutien. Uma discussão que não é da agora e que tem originado algumas polémicas ao longo dos anos. Só resta saber se o soutien será mesmo necessário para as mulheres. 

 
Uma das maiores polémicas em torno do soutien está associada à saúde. Durante muitos anos propagou-se a ideia de que o uso do soutien estaria associado ao cancro da mama. Uma ideia antiga que nunca envelheceu, chegando a ganhar mais força num passado recente, quando a Internet ganhou maior destaque na vida das pessoas. 

Algo que obrigou a American Cancer Society a esclarecer o assunto, através de uma declaração partilhada no site. “Um estudo recente envolvendo mais de 1.500 mulheres não encontrou relação entre o uso do soutien e o risco de cancro da mama”. Opinião que é partilhada por muitos outros estudos. 

 
Mas esta tomada de posição não coloca um ponto final na discussão em torno do uso do soutien. Em 2013, Jean-Denis Rouillon, um desconhecido professor francês, revelou que o soutien não passava de uma “falsa necessidade”. Este professor desenvolveu um estudo durante 15 anos concluindo que o uso não reduzia as dores nas costas e que tornava o peito mais flácido. Posição que correu mundo e deu que falar. Mas afinal devem as mulheres usar, ou não, soutien? 

 

“Mais de 90% das mulheres não usa o soutien adequado” 

 
A verdade é que não existe uma resposta única a esta questão. Diversos estudos defendem que o uso diário é aconselhável pois o movimento do peito poderá provocar dor, colocando tensão na pele e esticando os ligamentos. E quando as mulheres praticam desporto, as mamas movem-se, em média, 10 centímetros, o que faz com que diversos estudos apontem para a obrigatoriedade do uso de soutien desportivo durante a prática de exercício. Por outro lado, não existem dados que apontem para a necessidade do uso. 

 
E usar soutien até pode ser um problema. Um estudo recente da Dama de Copas revelou que “mais de 90% das mulheres não usa o soutien adequado”. Outros dados deste estudo apontam para o desconhecimento em relação ao número do soutien que deve ser usado. Sem esquecer que muitas mulheres escolhem o soutien com base no design, ignorando a funcionalidade. Neste caso específico a solução passa pelo bra fitting, um serviço que permite perceber o tamanho correcto de soutien. 

aprende a responder às 5 perguntas que mais se ouvem numa entrevista de emprego

Uma entrevista de emprego pode ser um momento complicado para muitas pessoas. Que podem até ficar nervosas com o desejo de mostrar que são o candidato perfeito para o lugar. O que faz com que tudo possa correr mal. Daí que o melhor conselho é que te prepares previamente para o que irá acontecer. E para ajudar nesta preparação, o Daily Star compilou aquelas que são as cinco perguntas que provavelmente irás ouvir durante uma entrevista. 

1 – Fale sobre si 

Não é uma pergunta, mas um desafio. Aliás, é quase sempre a primeira coisa que se ouve numa entrevista de emprego. Tendo em conta que já enviaste o currículo e uma carta de apresentação, evita repetir tudo isto. Aquilo que se irá destacar é a tua personalidade. “Começa com um breve resumo da história da tua carreira. Dá-lhes uma breve visão geral de como a tua carreira se desenvolveu, focando mais no que aprendeste e alcançaste”, explica Margaret Buj, autora do livro Land That Job. Não divague muito, use uma voz clara e mantenha o contacto visual. 

 

2 – Revele como lidou com uma situação difícil 

Neste caso, podes recorrer a uma experiência num trabalho anterior. Podes falar da situação, as tarefas necessárias, a acção e o resultado. Segue este método que serve para mostrar como superaste o problema, bem como as tuas qualidades como solucionador de problemas. 

 

3 – Quais os seus pontos fracos? 

Neste caso, o entrevistador quer perceber como reconheces as próprias fraquezas e como é que superas as mesmas. Este é daqueles casos que deverás pensar antes da entrevista. Caso penses em algo no momento, poderás passar uma imagem de desonestidade. 

 

4 – O que o difere dos outros candidatos? 

Este é o momento em que querem que te diferencies de todos os outros. Antes da entrevista pensa nos teus pontos fortes e qualidades. Evita coisas como “trabalho muito” ou “tenho muito potencial”. Podes dar exemplos de épocas em que trabalhaste muito ou um caso específico em que te tenha excedido. 

 

5 – Por que quer trabalhar para nós? 

Este é outro clássico das entrevistas. Aqui é uma espécie de rasteira. O empregador pode estar a querer saber se fizeste alguma pesquisa sobre a empresa a que estás a candidatar-te. E é isso mesmo que deverás fazer. Fica a saber o que o entusiasma, o que existe que é do teu especial agrado. Nesta pergunta deverás focar-te nas necessidades da empresa e não nas tuas.