13.3.21

glenn medeiros e os favores sexuais comuns na indústria musical

Se te falar de Glenn Medeiros, existe uma elevada probabilidade que te recordes (e até comeces a cantarolar) Nothing’s Gonna Change My Love for You. Foi com este cover (originalmente editado por George Benson) que o cantor norte-americano, de ascendência portuguesa, alcançou o sucesso mundial em 1988 quando tinha apenas 17 anos. Aos 50 anos, e com 11 álbuns editados, o cantor está a ser notícia por recordar os meandros da indústria musical. Depois de passar quatro semanas a dominar o top britânico com o single de estreia, Glenn Medeiros chegou liderou o top norte-americano com She Ain´t Worth It, com Bobby Brown. Em meados dos anos 90 passou a ser professor, sendo agora presidente da Saint Louis School. 

 

Em entrevista ao podcast Celebrity Catch UpLife After That Thing I DidGlenn Medeiros assume ter recusado “muitas ofertas” para relações sexuais. Algo que muitos outros aceitaram. “Via-se em todo o lado”, recorda o cantor que agora tem uma escola no Havaí. “Se era algo que faria com que tivesse mais sucesso na minha carreira? Potencialmente. Mas não era algo que estava disposto a fazer”, acrescenta. “Tinha amigos que diziam especificamente, ‘vou viver com esta pessoa porque irá ajudar-me com a minha carreira artística’”, diz. 

 

Glenn Medeiros assume ter recusado ofertas para relações sexuais 

 

Ainda assim, nunca cedeu. “Nunca o fiz e sinto orgulho nisso. Mas ao mesmo tempo consigo perceber por que tantos outros o fizeram. Recordo de falar com alguns amigos que diziam, ‘esta pessoa é atraente e gosto dela na mesma, por isso é ok’”. “Ouvem-se coisas do movimento #MeToo e isso era a norma quando estava na indústria musical”, conta. “Infelizmente, a maioria das mulheres e alguns homens que conheci tiveram de ter relações com outros para se manterem no top”, revela. “Nunca quis essa abordagem”, garante, recordando um caso específico, no dia em que foi a casa de um famoso compositor que lhe disse que era mais talentoso do que muitos artistas dos discos de ouro que tinha pendurados na parede. 

  

“Depois disse, ‘preciso de ir buscar algo’, e foi a outra divisão, voltando de robe”, recorda Glenn Medeiros, acrescentando que tinha 18 anos na altura. “Ficava perceptível qual seria a próxima jogada. Recordo-me de dizer, ‘esqueci-me que tinha um encontro, tenho de ir’ e fiz a minha escolha”, explica. O artista explica ainda que não dirá o nome dos envolvidos. “Não digo porque ainda acredito que tinha uma escolha”, argumenta. 

 

Máfia mandava nas estrelas da música 

 

As revelações de Glenn Medeiros não se ficam pelos favores sexuais. O cantor revela que a máfia mandava em muitas estrelas da indústria. “Muitas pessoas não gostam de falar disto, mas é verdade”, defende. Garantindo que alguns artistas vendiam drogas e que outros tinham as casas, carros e despesas suportados pela máfia, que acabava por mandar nos artistas. “Agora, que estou fora da indústria, posso claramente dizer, ‘isto foi o que vi’”, conclui, defendo ainda que nem todos cediam a este tipo de coisas e que existem artistas muito bons. 

Sem comentários:

Publicar um comentário