20.3.21

diego bardanca e o futebol num país livre do coronavírus

Há mais de um ano que o coronavírus deixa o mundo em suspenso. Nada tem escapado à covid-19 e a nova realidade tem passado por algo completamente diferente. No que ao futebol diz respeito, há muito que as bancadas estão vazias. Existindo ainda muitas regras de funcionamento que alteram o desporto como os adeptos sempre o conheceram. Ainda assim, existem países que conseguem passar ao lado destas medidas. É o caso do Uzbequistão. E é por lá que se encontra Diego Bardanca, reforço do Lokomotiv Tashkent. 

  

Em conversa com a Marca, o defesa central espanhol, de 27 anos, fala sobre uma realidade que é surpreendente nos dias que correm. “Nas duas semanas em que estou aqui esqueci-me, entre aspas, da covid-19. Ainda me choca estar sem máscara, só as usam em espaços fechados, não usar gel, ver hospitais vazios... Estou a desfrutar da vida que levávamos há mais de um ano, mas sem me esquecer do que acontece em Espanha e na Europa. Sinto-me um privilegiado. Acho que vivo num filme”, diz o jogador à publicação espanhola. 

 

“Estou a desfrutar a vida que levávamos há mais de um ano” 

 

Ainda assim, esta nem sempre foi a realidade do Uzbequistão. Tal como em outros locais, também neste país da Ásia Central existiu uma forte incidência da doença. Até que se alcançou a imunidade colectiva. “Em Março havia muitos casos e a situação foi alarmante e crítica até setembro. Cerca de 60/70% da população (são 33 milhões) estava infectada e essa é uma das razões pelas quais há menos covid-19", explica o jogador. Agora, destacam-se as exigentes restrições. Para entrar no país é necessário um teste PCR negativo, existindo ainda um exame adicional no aeroporto. De resto, Barranco revela que os jogadores partilham balneários e andam no centro de treinos de forma normal. Realidade já distante para a maioria dos clubes europeus.  

 

Durante a conversa, Diego Bardanca aborda ainda o novo projecto desportivo. “É um clube jovem e muito profissional com excelentes condições. É um projecto interessante com a ambição de dominar a Liga. O espanhol Dani Chabrera, treinador de guarda-redes e peça importante na parte técnica, foi quem me contratou”, conta. Longe de ser um dos mais mediáticos jogadores espanhóis, o defesa conta já com passagens por diversos países. 

 

Passagens por Finlândia, Polónia, Sérvia e Eslovénia 

 

Formado no Valladolid, defendeu a equipa B do clube espanhol. Passou também pela equipa secundária do Huelva. Em Espanha representou ainda o Eldense, Atlético Levante, Real Jaen, Ibiza e Torrelavega. Na Finlândia defendeu as cores do SJK Seinäjoki. Passou ainda pela Polónia, representando o MKS Bytovia Bytow. Realce ainda para a passagem pela Sérvia para defender as cores do FK Indjija. Antes de chegar ao Uzbequistão, esteve na Eslovénia para jogar pelo HIT Gorica. Como tem passaporte filipino, esta é a selecção que Diego Bardanca representa. 

Sem comentários:

Publicar um comentário