18.3.21

actualmente, pelé seria o futebolista mais bem pago do mundo

Para muitos, Pelé é o melhor jogador de futebol de todos os tempos. E 44 anos depois de ter pendurado as chuteiras, o astro brasileiro, de 80 anos, ainda dá que falar. Desta vez, o ex-futebolista que conta no currículo com três mundiais, dois Mundiais de Clubes, duas taças Libertadores e cinco campeonatos brasileiros é o protagonista de um documentário da Netflix. Além disso, é o antigo ordenado do jogador que está a dar que falar. 

  

Ao longo da carreira, Pelé defendeu apenas dois clubes: Santos (1956 a 1974) e New York Cosmos (1975 a 1977). Corria o ano de 1961 quando o ordenado do brasileiro fez manchete nas notícias. Nessa altura, o jogador ganhava 2 milhões de cruzeiros. Algo que corresponde, em valores actuais, a 11 mil euros. Isto levou a Forbes a querer perceber quanto é que Pelé ganharia nos dias de hoje, se ainda fosse jogador de futebol. 

 

Ordenado mais alto de Pelé foi 2 milhões de cruzeiros 

 

A publicação recorreu a especialistas em marketing digital e finanças desportivas para calcular o valor que o craque brasileiro levaria para casa nos moldes actuais. O valor a que se chegou foi de 183 milhões de euros. Esta verba divide-se por ordenado, patrocínios, direitos de imagem, patrocínio individual e cota de fidelidade. De modo a chegar a estes números foi necessária uma comparação com os quatro jogadores mais valiosos da actualidade: Messi, Cristiano Ronaldo, Neymar e Mbappé. E o resultado mostra que Pelé superava Messi, que a Forbes destacou em 2020 como o jogador mais bem pago do mundo, com uma verba de 104 milhões de euros. 

 

Em declarações à Forbes, Duílio Fabbri Júnior, professor e coordenador dos cursos de comunicação do Centro Universitário Salesiano de São Paulo, realça que é necessário ter em conta que Pelé foi jogador num momento diferente. Com um contexto desportivo e económico que em nada se compara com o actual. “No contexto actual, Pelé teria condições de ter rendimentos próximos do patamar de Messi. Se pensarmos em toda a representatividade que um nome como Pelé e que o futebol brasileiro têm, esses seriam outros bónus”, defende.  

 

Pelé seria uma mistura de Cristiano Ronaldo e Lionel Messi 

 

Amir Somoggi, gerente de marketing desportivo da Sports Value, defende que Pelé seria, nos dias de hoje, uma mistura de Cristiano Ronaldo com Lionel Messi. A comparação com o português está relacionada com os patrocínios fora dos relvados. E com o argentino com as actuações e prémios em campo. “Hoje, sem jogar, a sua fortuna é equivalente a 82 milhões de euros, ou seja, mostra que teria um poder enorme se ainda jogasse. Nenhum jogador na história jamais ganhou o que Messi ganha, então, o atleta a bater essa marca seria o Pelé”, garante. 

 

Documentário disponível na Netflix 

 

Entretanto, já está disponível na Netflix o documentário que acompanha Pelé desde o menino prodígio de 16 anos até ser o único jogador a conquistar três Mundiais. Sendo que o trabalho também não passa ao lado da história do Brasil na década de 1960, quando era tirado partido da fama mundial do jogador numa era de instabilidade política. 

 

Ben Nicholas, um dos realizadores do documentário, o objectivo passou por fazer algo mais do que um simples trabalho de futebol, com golos, frases feitas de especialistas e jogadores populares. Em Pelé poderá contar com relatos de familiares, amigos e profissionais de áreas muitos diversificadas. Todos eles acompanharam o percurso do jogador até 24 de outubro de 1977, dia em que o craque brasileiro colocou um ponto final na carreira. 

Sem comentários:

Publicar um comentário