26.11.20

maradona e uma eternidade que não está ao alcance de todos

O mundo ficou em choque assim que o jornal argentino Clarín avançou com a notícia da morte de Diego Armando Maradona. Enquanto muitos ainda acreditavam tratar-se de um boato sem piada, Marias Morla, agente e amigo do astro argentino, confirmava à agência espanhola EFE aquilo que ninguém queria ouvir. Maradona morreu aos 60 anos. 

Maradona morreu vítima de paragem cardio-respiratória 

 

A notícia acaba por ser surpreendente porque o agora treinador estava em casa a recuperar a uma operação ao cérebro. O antigo capitão da seleção argentina, e actual treinador do Gimnasia La Plata, tinha sido internado a 2 de Novembro devido a anemia e desidratação. A isto juntava-se um estado depressivo, associado aos longos excessos que sempre pautaram a sua vida. Quando todos esperavam o anúncio da data do regresso aos bancos, eis que surge a notícia da morte de El Pibe, vítima de paragem cardiorrespiratória. 

 

El Pibe era o actual treinador do Gimnasia de la Plata 

 

Desde que abandonou os relvados que a vida de Maradona andou quase sempre de mãos dadas com problemas de saúde. Tudo na sequência do abusivo consumo de drogas, que nunca escondeu. Em 2000 sofreu um ataque cardíaco na sequência de uma overdose de drogas. Estava de férias no Paraguai e sobreviveu. Decidiu curar-se até que teve novos problemas em 2004. Na altura pesava mais de 100 quilos (1,65 metros de altura) e sofreu novo enfarte. Voltou a sobreviver e foi operado ao estômago para perder peso. Infelizmente, o mesmo não pode ser dito neste momento. Este é um daqueles poucos momentos em que Maradona perdeu um jogo. E logo aquele mais importante da sua vida. 

 

D10S é visto como o melhor jogador de todos os tempos 

 

Diego Armando Maradona fica para a história como um dos melhores jogadores de todos os tempos. Aliás, muitos são aqueles que defendem ser mesmo o maior talento mundial que alguma vez pisou um relvado. Nome que, dizem, está num patamar superior ao português Cristiano Ronaldo e também do argentino Lionel Messi. Apesar de um vasto palmarés, é justo dizer que não está à altura do talento de El Pibe. Enquanto jogador, Maradona sagrou-se Campeão do Mundo pela Argentina em 1986. Feito que já tinha alcançado pelos sub-20 em 1979. Foi campeão em Itália, no seu Nápoles, e na Argentina, no também seu Boca Juniors. Conquistou ainda uma extinta Taça UEFA e taças e supertaças em Itália e Espanha. Eleito 4 vezes jogador do ano na Argentina, nunca ganhou uma Bola de Ouro. Mas existe uma explicação. Durante muitos anos foi um galardão somente entregue a jogadores europeus.  

 

Maradona tinha festejado 60º aniversário a 30 de Outubro 

 

A notícia da morte chega menos de um mês depois de uma data que os amantes do futebol celebram religiosamente. Falo do 30 de Outubro, dia em que Maradona festejou o 60º aniversário. Foi neste dia, em 1960, em Lanús, uma cidade da província de Buenos Aires, que El Pibe veio ao mundo.

 

Maradona acabou a carreira a poucos dias de celebrar 37 anos 

 

Maradona estreou-se no futebol com 15 anos e quem o viu jogar no Argentinos Juniors percebeu que havia muito talento no pequeno jogador de apenas 1,65 metros de altura. Em 1981 chega ao Boca Juniors que pagou pouco mais de um milhão de euros pelo passe do jogador. Destacou-se no clube argentino e despertou a atenção do Barcelona, que em 1984 pagou 8 milhões de euros para trazer o jogador para a Europa. 

 

E por lá ficou até 1984, ano em que os italianos do Nápoles gastaram 13 milhões de euros para levar o jogador para Itália. Em 1992 regressa a Espanha para defender as cores do Sevilha. Passou ainda pelos argentinos do Newell’s Old Boys e Boca Juniors, onde acabou a carreira, em 1997. O último jogo foi a 25 de outubro, dias antes de festejar o 37 aniversário e depois de 21 épocas marcadas por bons e maus momentos. 

  

1986 é o ano mais marcante da carreira de El Pibe 

 

É impossível não destacar o ano 1986 na carreira do jogador. Foi nesse ano que o mítico camisola 10 argentino conduziu a seleção à conquista do Mundial do México, num ano em que poucos apostavam na equipa das Pampas para a conquista. Na memória de todos ficará gravado o golo frente à Inglaterra, nos quartos de final da competição e que ainda hoje é considerado o melhor golo de sempre de um Mundial. Foi também nesse jogo que marcou o famoso golo com a mão que também é considerado uma das maiores farsas da história da competição. 

 

Carreira de treinador podia ter passado por Portugal 

 

Considerado um jogador brilhante, Maradona também apostou na carreira de treinador, ainda que sem o sucesso alcançado enquanto jogador. Foi selecionador argentino e da lista de clubes treinados fazem parte apenas emblemas modestos como Deportivo Textil MandiyúRacing Club, Al-Wasl, CD RiestraFujairah, Dínamo Brest, Dorados de Sinaloa e Gimnasia de la Plata. No regresso à Argentina destacou-se a euforia como era recebido em todos os clubes que visitava. Em 2018, Maradona disse ter recebido propostas de clubes lisboetas, mas nunca revelou os nomes. 

 

Polémicas dentro e fora do campo 

 

O já referido e famoso golo com a mão não foi a única polémica da carreira de Maradona. Que, por exemplo, foi apanhado várias vezes em controlos antidoping. E um antigo presidente do Nápoles chegou a revelar que o jogador não foi apanhado mais vezes nas malhas do doping porque utilizava urina de jogadores “limpos”. 

 

Em 1994 chegou a disparar uma espingarda de ar comprimido numa altura em que tinha jornalistas de plantão em frente à sua casa. Nesse ano foi novamente apanhado nas malhas do doping, tendo sido suspenso 15 meses pela FIFA. Para a história ficam ainda diversas frases polémicas que Maradona disse ao longo dos anos e que agora resumo. 

 

“O primeiro golo contra a Inglaterra? Foi a mão de Deus.” (1986) 

 

“Não sou contra os homossexuais. É bom que existam, porque desta maneira deixam mais mulheres livres para os machos de verdade.” (1987) 

 

“O futebol deveria ser comandando pelos jogadores. Os dirigentes somente desejam roubar o dinheiro dos clubes e aparecer nas fotos.” (1995) 

 

“Se vou ao banco é para tirar dinheiro.”, resposta quando questionado sobre uma eventual ida para o banco de suplentes (1996) 

 

“O doping do Maradona é como o Prode (lotaria): positivo, negativo, positivo, positivo. Então acho que há um empate.” (1997) 

 

“Pelé é um escravo. Vendeu o coração à FIFA.” (1997) 

 

“Não quero que Havelange [ex-presidente da FIFA] diga que gosta de mim como um pai. Não sou filho da puta” (1998) 

 

“Se as minhas filhas chorarem duas ou três vezes por causa dos namorados, eles vão sofrer um acidente.” (1998) 

 

“As minhas filhas legítimas são a Dalma e a Giannina. Os outros são filhos do dinheiro ou do erro.” (1999) 

 

“Ganhar ao River Plate é como se a tua mãe te viesse acordar com um beijo.” (2000) 

 

“Foi mais do que vencer uma equipa de futebol. Derrotamos um país. Dissemos que o desporto nada tinha a ver com as Malvinas, mas sabíamos que, na guerra, morreram muitos argentinos, baleados como pássaros. Aquilo era a vingança.” [sobre a vitória frente à Inglaterra no Mundial de 1986] (2000) 

 

“Chegar à área e não rematar à baliza é como dançar com a irmã.” (2001) 

 

“Bush é um assassino. Prefiro ser amigo de Fidel Castro.” (2003) 

 

“O Pelé tem que voltar para o museu. E sobre o Platini, como todos os franceses, ele acha que é mais importante do que todo o mundo. Nunca me importei com ele e não vou me importar agora.” (2010) 

 

“Este rapaz [Neymar] é um mal-educado, não tem respeito, assim como Pelé.” (2011) 

 

“É inútil querer tornar líder um homem [Messi] que vai 20 vezes à casa de banho antes de um jogo.” (2018) 

Sem comentários:

Publicar um comentário