10.6.20

lana del rey anuncia álbum, lança duras críticas e acaba criticada

Foi com recurso às redes sociais que Lana Del Rey anunciou o lançamento de um novo álbum, que ficará disponível a 5 de Setembro. Este momento foi aproveitado pela cantora norte-americana, de 34 anos, para abordar diversos temas como a carreira, feminismo e até as críticas que têm sido feitas às letras das suas músicas. Sem papas na língua, a artista criticou diversas cantoras.

"Agora que a Doja Cat, a Ariana, a Camila, a Cardi B, a Kehlani, a Nicki Minaj e a Beyoncé conseguiram chegar ao número um do top com músicas sobre serem sexy, estarem nuas, traírem, etc, posso voltar a cantar sobre sentir-me linda por estar apaixonada, mesmo que a relação não seja perfeita, sem me acusarem de romantizar a violência?", começa por escrever.

"Agora que a Doja Cat, a Ariana, a Camila, a Cardi B, a Kehlani, a Nicki Minaj e a Beyoncé conseguiram chegar ao número um do top com músicas sobre serem sexy, estarem nuas, traírem, etc, posso voltar a cantar sobre sentir-me linda por estar apaixonada, mesmo que a relação não seja perfeita, sem me acusarem de romantizar a violência?"


Este desabafo de Lana Del Rey não foi bem recebido por muitas pessoas, que criticaram a artista nas redes sociais. Uma das críticas prende-se com o facto de criticar outras artistas femininas de modo a defender a sua opinião. Algo que levou a que se multiplicassem os pedidos para que a cantora apagasse a publicação. Recorde-se que desde 2014, altura em que lançou Ultraviolence, que Lana Del Rey é alvo de críticas por cantar sobre temas como violência e abusos sexuais. Bem como de as suas letras colocarem as mulheres num papel submisso e passivo nos relacionamentos.

"Estou farta de compositoras e cantores alternativos que dizem que estou a romantizar comportamentos abusivos quanto, na realidade, sou apenas uma pessoa glamourosa que canta sobre a realidade de relações emocionalmente abusivas que são predominantes no mundo inteiro", defende. Lana Del Rey falou ainda sobre a luta pela igualdade de género. "Não é que não seja feminista, mas tem de haver um espaço no feminismo para as mulheres que têm o meu aspecto e o meu comportamento. O tipo de mulher que diz não, mas os homens ouvem sim, o tipo de mulher que é criticada por ser autêntica e delicada, o tipo de mulher cuja voz e cujas histórias lhes são roubadas por mulheres mais fortes ou por homens que odeiam mulheres", salienta.

"Tem de haver espaço no feminismo para mulheres que têm o meu aspecto e o meu comportamento"


Por fim, a artista assume ter aprendido "com essas críticas da treta", defendendo que o sucesso dos seus antigos álbuns ajudou "outras mulheres a não terem de fazer cara alegre." "Nos meus dois primeiros álbuns, se mostrasse alguma tristeza chamavam-me histérica, como se estivéssemos nos anos 20", escreve. Lana Del Rey garante ainda que todos estes temas vão ser abordados no seu livro de poemas, que terá o nome de Violet Bent Bakcwards Over The Grass. Quanto ao novo álbum, que sucede a Norman Fucking Rockwell!, especula-se que tenha o nome de White Hot Forever.

Sem comentários:

Publicar um comentário