10.5.20

mereces conhecer a história de jorge molina, um jogador fora do comum

Acredito que o nome de Jorge Molina pouco ou nada te diga. Algo que em Espanha é diferente. Ou não estivesse a falar de um velho conhecido do futebol daquele país. Numa altura em que acaba de festejar os 38 anos, existem diversos factores que distinguem o jogador do Getafe. A começar pela idade. A caminho dos quarenta, o avançado atravessa um dos melhores momentos de forma da carreira. E não só.

Pode mesmo dizer-se que Jorge Molina é um goleador fora do comum para os actuais padrões do futebol europeu. Por exemplo, não tem qualquer tatuagem no corpo. Além disso, tem dois cursos e está também habilitado para ser treinador e director desportivo. Outra nota de destaque é o facto de ter chegado à alta roda do futebol espanhol já com 29 anos. Para trás ficavam cinco temporadas na terceira divisão, três na Segunda B e mais cinco na segunda divisão. Agora, já lá vão sete no principal escalão do futebol espanhol. Sempre a marcar golos, sendo um dos jogadores mais apreciados pelos adeptos do Getafe. Clube no qual esta época conta com 7 golos e 2 assistências em 31 jogos.

"Sigo uma dieta rigorosa e preparo-me para estar sempre com 87 quilos"


Numa entrevista ao jornal Marca, Jorge Molina revela o segredo do seu sucesso. "Tenho mais cuidados do que nunca. Sigo uma dieta rigorosa e preparo-me para estar sempre com 87 quilos. Treino muito, descanso bem, aprecio e valorizo cada sessão de treino e jogo. Depois, tenho um corpo que me tratou muito bem porque nunca sofri uma lesão muscular numa carreira de 20 anos. Sinto-me um privilegiado", diz ao jornal.

Com 38 anos, Jorge Molina é o quarto jogador mais veterano do campeonato espanhol. Sendo apenas superado por Joaquín (Betis), Aduriz (Athletic Bilbao) e Diego López (Espanhol), todos eles igualmente com 38 anos. Deste grupo, apenas Aduriz já abordou a possibilidade de colocar um ponto final na carreira. Por sua vez, Jorge Molina nem acredita naquilo que tem vivido no Getafe, clube que representa desde 2016.

"Em breve será difícil ver um estádio de futebol cheio"


"Quando deixei o Betis, a minha esperança era regressar à primeira divisão com o Getafe. Mas nem o mais optimista poderia imaginar tudo o que tem acontecido", revela. É que além da subida de divisão, o clube esteve perto de chegar à Liga dos Campeões na época passada. Realce ainda para as participações na Liga Europa, competição na qual esta época já eliminaram o Ajax. Segue-se o confronto com o Inter de Milão e Jorge Molina tem o sonho de eliminar o poderoso clube italiano.

A conversa com a Marca serviu ainda para o jogador falar sobre o impacto do coronavírus no futebol, acreditando que nada voltará a ser igual. "Nem a vida nem o futebol. Em breve será difícil ver um estádio de futebol cheio, mas também será complicado ir a um restaurante ou beber um copo. As pessoas terão de repensar o modo de vida, pelo menos a curto prazo. A sociedade irá mudar", conclui.

Sem comentários:

Publicar um comentário