3.12.19

mindful eating é tudo aquilo de que precisas para perder peso

Devo começar por dizer que aprendi a fazer isto quando passei a ser acompanhado por uma nutricionista. Só não sabia que passado algum tempo teria um nome. Estou a falar do mindful eating, que em português pode ser traduzido para alimentação consciente. Se conseguires colocar isto em prática, está dado o primeiro passo para que percas peso. Sem que passes fome ou estejas o dia inteiro fechado no ginásio.

Aquilo que distingue o mindful eating é o poder da mente. É a mente que irá controlar aquilo que comes. Ou seja, sobes para a balança, tens noção do patamar em que te encontras (isto é muito importante e nem sempre conseguimos ter essa análise em relação a nós) e estabeleces uma meta. Que deverá ser real. Ou seja, esquece lá isso de perderes 10 quilos em 5 minutos. Depois, só tens de eliminar o que está a mais na tua alimentação.

“É um factor preventivo para a questão emocional. Diminui o índice de depressão"


“Quando vivemos em provação, temos uma restrição muito grande. Então as pessoas perceberam que podem ter um estilo de vida muito saudável e mesmo assim conseguir comer as coisas de que gostam”, explica a nutricionista Gabriela Cilla, em declarações ao site brasileiro Delas. Que realça o bem que este tipo de postura faz. Isto a partir do momento em que as pessoas estão bem com as escolhas que fazem. “É um factor preventivo para a questão emocional. Diminui o índice de depressão. Se a pessoa está muito bem resolvida, não precisa de fazer coisas extremistas. Prevenimos uma compulsão, um distúrbio de imagem. Acabámos por reeducar. A pessoa irá procurar sempre opções que são melhores. Então previne doenças crónicas e até melhora o índice de sedentarismo, porque pode até incluir uma actividade física no plano”, refere.

E isto é algo que acabas por fazer de forma natural. Por exemplo, há muito que dou por mim a fazer escolhas saudáveis de forma natural. Sou capaz de ir a uma máquina de vending e não comprar nada. Simplesmente, porque as opções são todas más. Quando em tempos talvez acabasse por escolher aquela que considerava menos má. “É interessante criar um plano real com um médico ou nutricionista que acompanha e define metas atingíveis. É o primeiro ponto. Se as metas não são atingidas, as pessoas ficam frustradas e a frustração piora tudo. Se como fast-food todos os dias e se deixar de comer, isso já me irá ajudar. Já melhorou 50% do que estava no meu dia. É ter a noção da realidade e, frente a ela, traçar um objetivo atingível”, explica Gabriela Cilla.

"Se as metas não são atingidas, as pessoas ficam frustradas e a frustração piora tudo"


Que garante que qualquer pessoa pode praticar mindful eating. “As pessoas não sabem que isto existe, talvez todos devessem praticar. É tentar frente ao caos, achar uma luz. O mindful está dentro de todas as pessoas, só precisamos saber como explorar e aflorar isso, porque é do ser humano”, termina. Aconselho que este percurso seja feito com o apoio de um profissional. E que seja conciliado, se possível, com actividade física regular. Na minha modesta opinião, isto será sempre melhor do que passar um mês escondido atrás de uma dieta que nos priva de tudo e que deixará de ser eficaz (porque não nos ensinou nada) assim que deixar de estar em vigor.

Sem comentários:

Publicar um comentário