17.7.19

homem que é homem faz xixi de pé (mas devia fazer sentado)

Homem que é homem faz xixi de pé. E não há cá discussões. Fazer xixi sentado é coisa de mulher. Até porque se criou a ideia de que um homem perde boa parte da sua masculinidade caso faça xixi sentado. Ou então usa-se a desculpa de que fazer esta necessidade fisiológica sentado é um processo muito demorado. Que acaba por não compensar.

Nunca partilhei desta casa. E é sem qualquer ponta de vergonha que assumo fazer xixi sentado em casa. Sempre! É verdade que este ainda é um tema tabu, mas depois de ficares a saber o que tenho para contar, talvez mudes de opinião. Até porque não é nada simpático. E posso dizer um estudo recente, realizado pela QS Supplies, revelou que 7 em cada 10 homens preferem fazer xixi em pé quando estão em casa.

Este estudo analisou o fluxo de urina de um homem. Os homens urinaram normalmente mas esta acção foi analisada com recurso a uma luz ultravioleta. Chegou-se à conclusão de que a maioria das gotas de urina salpicam até 36 polegadas da sanita. Ou seja, há urina na parede, no papel higiénico, na sanita e no chão. Sendo que 86% das pessoas assumem não limpar estas zonas (e vamos dar o desconto da sanita) com regularidade.

Além disso, 31% dos homens assumiu fazer pontaria para a parte de “trás” da sanita por acreditar que facilita. Quando na realidade provoca ainda mais salpicos do que quando se faz pontaria para a água. Já me ia esquecendo. Muitas pessoas assumiram ter uma escova de dentes dentro do raio de acção da urina salpicada. A conclusão do estudo é a de que os homens devem sentar-se, quando estão em casa, para urinar.

Para se ter uma ideia, basta imaginar o número de vezes que os homens urinam em casa. E assim imaginam a sujidade que estão a provocar. Está na hora de esquecer essa coisa da masculinidade. Ou então é continuar a bombardear a casa-de-banho com salpicos incontrolados. Até colocava aqui o vídeo da experiência, mas deixo apenas duas imagens. Acho que têm força suficiente para fazer com que se mude de opinião.



Sem comentários:

Publicar um comentário