30.10.18

sobre o dia nacional de prevenção do cancro da mama

Hoje assinala-se o Dia Nacional de Prevenção do Cancro da Mama. Enquanto filho de uma mulher que teve de passar por essa terrível doença, apelo a que todas as mulheres estejam atentas aos sinais. Que não desprezem os exames de rotina pois a prevenção pode ser crucial. Aproveito ainda para partilhar uma carta que escrevi à minha mãe a desafio do site Crescer.

"Mãe,

Tenho a certeza de que nunca te disse o quanto te amo e a importância que tens na minha vida. Não por falta de oportunidade, mas porque aquilo que sinto por ti é impossível de colocar em palavras. E é por gostar tanto de ti que me senti de rastos no dia em que disseste que ias lutar contra um maldito cancro da mama. Nesse dia não quis chorar à tua frente porque precisavas da minha força e não das minhas lágrimas.

Nesta ‘carta’ revelo-te que não quis chorar à tua frente, mas digo-te também que passei muitas noites mal dormidas. A pensar no futuro e em todos os ses que dominavam os meus pensamentos. Fiz questão de estar contigo no hospital quando foste saber a gravidade do cancro. E se é verdade que respirei de alívio quando me disseste, assim que saíste do consultório, «é maligno, mas está numa zona que não se alastra», nem as tuas palavras me fizeram perder o medo que sentia e senti durante largos meses.

Sim, porque senti muito medo de te perder. De perder a minha mãe, o meu pilar, o meu porto seguro. E sobre isto não me quero alongar porque é tema que ainda hoje mexe muito comigo. Prefiro dizer-te que passei a admirar-te ainda mais depois de todas as lutas que tiveste de travar. E que me ensinaram aquilo que realmente importa na vida.

Sinto que existe um Bruno antes daquilo por que passaste e outro, muito melhor e mais focado no que importa, que nasceu com a tua vitória, numa das batalhas mais importantes que travaste.

Não me esquecerei de detalhes como ver-te sem cabelo, apesar de ficares linda mesmo assim. Não me vou esquecer dos momentos complicados por que passaste depois dos tratamentos, de largas horas passadas no hospital e do momento em que disseste que não querias fazer mais nada. Queria estar presente e junto de ti a toda a hora, mas ao mesmo tempo sentia-me impotente para te aliviar do sofrimento por que nunca deverias ter passado. E que nenhum filho deveria ter de ver.

Hoje, consigo olhar para aqueles tempos e respirar de alívio. Porque tudo correu bem, porque tudo continua a correr bem e porque te amo ainda mais. Não tenho palavras que possam fazer justiça aquilo que és para mim, quero que saibas que és um exemplo para mim. É um orgulho chamar-te Mãe. Amo-te muito!

Não posso acabar estar ‘carta’ sem destacar dois detalhes muito importantes e que servem de exemplo para todas as pessoas que têm de percorrer o caminho que percorreste. Por isso, quero agradecer ao meu pai por tudo aquilo que fez por ti durante cada segundo da doença. E que sei ter sido muito importante no teu processo de cura. Não houve tempo para penas nem lamentos, apenas amor, muito amor e um apoio incondicional.

Por fim, é esse o conselho que deixo a todos os maridos, filhos, familiares e amigos de mulheres que estão a lutar para vencer um cancro da mama. Não percam tempo com sentimentos de pena e outras coisas negativas. Em vez disso, ganhem tempo, e todos os segundos contam, com amor. Muito amor e apoio.

Estejam presentes com um sorriso. Façam o possível (e impossível) para fazer a mulher sorrir. Porque as doentes são aquelas que mais sofrem com a dor e tudo aquilo de negativo que isso acarreta. E nessas alturas, uma boa sensação e um sorriso valem ouro. E conseguem ter um efeito mais positivo do que muitos medicamentos.

Obrigado, Mãe.

Do teu filho que te ama muito mais do que consegue explicar,

Bruno"

Sem comentários:

Publicar um comentário