14.9.16

qual a motivação dos concorrentes da casa dos segredos?

Ao que parece, cada concorrente da mais recente edição da Casa dos Segredos recebe 150 euros por semana. Ou seja, 600 por mês caso não sejam expulsos. O vencedor levará ainda para casa 20 mil euros (não sei se este valor já tem o desconto ou se é deduzido desta quantia). Numas contas rápidas, o vencedor poderá levar para casa 22400 euros. Este é o preço a pagar por quem aceita participar numa experiência destas.

Já dizia o meu professor de economia que não existem almoços grátis. Por isso este valor tem um preço. E o preço é a exposição da vida 24 horas por dia desde que entra no programa até ao dia em que sai. E só o sonho de conquistar este valor faz com que pessoas revelem detalhes das suas vidas que provavelmente nem sequer desejariam contar ao vizinho do prédio do lado. O preço pode envolver também sexo para Portugal ver, lavagem de roupa suja e talvez agressões verbais ou físicas. Isto e muito mais. A troco de audiência para um canal, neste caso a TVI.

É certo que os concorrentes não sonham apenas com este valor. Sonham com as presenças e o acesso VIP a discotecas. Sonham com a fama. Desejam trabalhar como modelos ou como apresentadores e actores. E acreditam que tudo isso está mais perto com este programa. Mas basta que tentem pensar em dez nomes de concorrentes das restantes cinco edições que tenham conseguido este mesmo objectivo que acaba por ser comum a todos. E facilmente vão perceber que não é assim tão fácil. Aliás, são raros os casos de concorrentes que conseguem dar o tão desejado salto para o outro lado, o lado "bom" da fama.

Por mais que custe (e seja injusto para alguns), a maior parte dos concorrentes têm fama de incultos, de pessoas ocas e vazias, de gente sem interesse que vá além da audiência de um programa e de atrair umas quantas pessoas a uma qualquer discoteca. Esta é a dura realidade de programas destes. E esta dura realidade está a anos luz das primeiras (em especial a primeira) edições do Big Brother, que movimentaram pequenas fortunas e que tiveram a seu favor a novidade, para os concorrentes e para o País, e um rótulo menos "pesado" para os participantes.

Numa primeira análise 22400 euros (mesmo que divididos por quatro meses) parecem muito dinheiro. Mas para mim (e bem jeito me davam) são muito curtos para o preço que tenho de pagar para os ter. Não vendia a minha vida, a exploração dos meus defeitos, das minhas falhas e dos meus erros (tudo isto com base em segundos) por tão pouco. Este valor não chegava para fazer com que a minha vida (e dos meus) fosse explorada ao mais ínfimo detalhe. E por isso é que me espanta que pessoas com ambições políticas (apenas para dar um exemplo) pensem que a porta que procuram está a ser oferecida neste formato.

Não tenho nada contra os concorrentes. Nem contra a sede de fama. Talvez seja o pensamento do "dinheiro fácil que dá tanto jeito" que acabe por atrair muitos concorrentes. Não sei se é isso ou não. Mas basta que as pessoas dediquem um pouco do seu tempo a fazer contas para perceber o que parece muito acaba por ser muito... pouco. E dou o exemplo do casal (que não chegou a entrar no programa) que partilhou com Portugal inteiro que a noiva andava a tirar dinheiro da conta, destinada ao casamento, para comprar malas e outras coisas. Dizem que toda a gente tem um preço. Talvez seja assim mas este é muito baixo. Ou deveria ser.

Sem comentários:

Publicar um comentário