3.10.13

vale o que vale

Gosto de estudos. Sobre o que quer que seja. Sempre gostei. Nem que seja pelo simples facto de que têm o poder de fazer com que diversas pessoas debatam um tema específico. E isso, para mim, é algo que considero extremamente positivo. Se serve para fazer com que alguém fale, óptimo. Se tem a força de roubar um sorriso a alguém, melhor ainda. Contudo, um estudo vale o que vale. E existem diversas formas de perceber a real importância de um estudo. Uma forma fácil de constatar o relevo de um estudo passa pelo local onde o mesmo foi publicado. Consta nas páginas de uma importante publicação? É bom sinal. Não está publicado em lado nenhum? Serve para debater mas fico com reservas sobre o mesmo.

Porém, um estudo vale o que vale. Eu sou canhoto. Faço parte de uma minoria. Como tal, quando leio notícias sobre estudos que dizem que os canhotos são mais inteligentes e aprendem mais depressa, esboço um sorriso. Sobretudo porque durante os tempos de escola era complicado arranjar material específico para a minoria da qual faço parte. Tal como as cadeiras individuais eram quase todas para destros. Mas, se passar os olhos por um estudo que diz que os canhotos são burros que nem uma porta e mil vezes inferiores aos destros, irei esboçar um sorriso na mesma. Porque um estudo vale o que vale.

De acordo com um estudo recente, tocar air guitar serve para aprimorar o talento musical das pessoas. Isto significa que quem não toca air guitar nunca irá melhorar os seus dotes artísticos? Outro estudo diz que quem dorme nove horas por dia combate de forma eficaz a obesidade. Isto quer dizer que quem dorme menos tempo está destinado a ser gordo? Ainda mais um estudo dá conta de que um pequeno-almoço farto aumenta a fertilidade. Isto quer dizer que quem não toma pequeno-almoço nunca terá filhos?

Os estudos valem o que valem. E a importância dada a cada um desses mesmos estudos depende de cada pessoa. Fazer de um estudo um motivo de guerra não serve para nada. Olhar para um estudo onde constam dados nos quais não nos revemos não significa que a nossa vida seja um inferno. Tal como estar dentro dos parâmetros de um qualquer estudo não é sinal de que a nossa vida vá ser pintada em tons cor-de-rosa. É um estudo. Apenas um estudo.  

14 comentários:

  1. (Além da inteligencia e efeicácia) dizem que os canhotos duram mais anos... eheheheh

    Espero bem que sim...

    Beijinho de uma Almofada canhota! ;)

    ResponderEliminar
  2. Também ando a fazer um estudo. Responde-me: desenhas bem? (a explicação - porque os meus estudos vêm com explicação - segue logo a seguir à resposta)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando era miúdo adorava desenhar. Gosto imenso de o fazer mas não costumo fazer.

      Eliminar
    2. Gostar de desenhar não significar desenhar bem... Quando o fazes, quais são as opiniões gerais? Desenhas bem? Mais vale tocares flauta? Esquece, vai pescar??

      Eliminar
  3. "Cyborg"

    Estou cansada destes estudos, que só servem para agrupar determinados estereótipos, e depois há aqueles que nem se encaixam nas duas categorias, a do A e B para poderem criar uma nova pesquisa de estudo C - que se consta na raridade de determinados casos. E isto só serve para alimentar ainda mais a discordância enquanto a verdadeira vertente deveria ser simplesmente a pluralidade da diversidade, dentro de um contexto de experiência vivida, integrações e níveis de aprendizagem, assim bem como desenvolvimento... complicado? Sim. Muito. Pertenço à categoria do grupo C. É sobretudo engraçado os argumentos de profissionais, que estão muitas das vezes a anos-luz de distância... eu que o diga!

    P.s - escrevo com duas mãos. Conflito?! eheheh

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os estudos servem para tudo e mais alguma coisa. Daí a fazer uma "guerra" disso. Isso não vale a pena. Invejo-te por escrever bem com as duas mãos :)

      Eliminar
  4. É isso mesmo anónimo.Estes estudos não significam nada,só servem para criar divergências e alimentar egos.(já insuflados)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os estudos servem para aquilo que cada um quer. E há estudos para todas as pessoas.

      Eliminar
  5. Eu rio-me com os estudos. Nomeadamente aqueles que dizem que as pessoas com mau feitio vivem mais ano ou que as pessoas que se deitam mais tarde são mais inteligentes, porque sou um mau feitio e um noctívago xD Aproveito-os para umas picardias, mas nada mais que isso, até porque esses estudos não são fiáveis e valem o que valem.

    ResponderEliminar
  6. Esses estudos servem apenas para fazer conversa e brincadeiras entre amigos, nada mais.

    ResponderEliminar