2.10.13

eles vs elas (situações de conflito)

Trabalho há muitos anos. Já trabalhei num escritório, num aeroporto, numa empresa que tem uma abelha no logótipo, numa loja de tintas, numa loja de desporto, em lojas de roupa, numa loja de materiais de construção e em duas redacções, entre outros locais. Os empregos são bastante diversificados mas existem algumas semelhanças entre estes diferentes empregos. Pois, em boa parte deles, trabalhei maioritariamente com mulheres.

E, da experiência que tenho, posso concluir que em situações de conflito, sejam elas quais forem, elas são muito mais complicadas do que eles. Quando dois homens se zangam, vão à máquina do café, conversam e resolvem o problema. “Passou-se isto, isto e isto. Não gostei”, diz um deles. Se chegam a um entendimento, dão um aperto de mão ou um abraço e esquecem o que se passou. Caso não exista entendimento e a solução passe por cortar relações, o assunto morre ali. Podem nunca mais falar um com o outro mas o assunto fica enterrado naquele instante.

Com elas, a situação consegue ser um pouco mais complicada. Se uma mulher tem um problema com outra, não o resolve. Vai ter com uma terceira mulher (ou com várias) e fala mal da outra. “É uma cabra. Aquela gaja fez-me isto e aquilo. Nem a posso ver”, dizem. Sendo que muitas vezes nem têm a menor preocupação em perceber que a conversa está a ser ouvida por várias pessoas. Isto faz com que pequenos mal entendidos consigam transformar-se num gigantesco temporal. Ou numa batalha campal que obriga as amigas de ambas (muitas vezes interessadas nestes conflitos que destroem amizades) a escolher um lado. Isto dá origem a maus ambientes de trabalho. Até que a falsidade impera. Todos fingem ser amigos quando estão juntos. E destila-se veneno e distribuem-se facadas pelas costas. O ar torna-se irrespirável e a solução passa, na maior parte das vezes por trabalhar um dia inteiro sem abrir a boca, tentando escapar aquilo que se tenta não ouvir.

É certo que existem excepções. Já trabalhei com homens que conseguem ser mil vezes pior do que as mulheres que referi. E já trabalhei com mulheres que conseguem ser muito mais porreiras do que a maior parte dos homens. Por norma, estas são aquelas a quem digo “para mim és um gajo.” Algo que não coloca em causa atributos físicos ou beleza. É uma mera questão de personalidade e atitude. Já eles, aqueles que se comportam como umas prima-donas, são aqueles a quem chamo de “gaja.” Não por tique femininos ou algo do género mas, mais uma vez, é algo relacionado com atitudes e comportamentos, quase sempre em torno de tricas e intrigas.

Acho que não erro quando digo que, neste domínio, os homens são muito menos complicados do que as mulheres. Existe um problema, resolve-se. Prático e simples. E assim evitam-se boatos, rumores, diz que disse, acusações (muitas vezes infundadas) e outras situações que só servem para minar um ambiente de trabalho e destruir relações. Não sou da opinião de que os colegas de trabalho devem ser todos amigos. Mas existem coisas que podem ser resolvidas entre duas pessoas e que não necessitam de uma plateia, munida de isqueiros e gasolina, pronta para atear um fogo ainda maior.

50 comentários:

  1. Venham eles!
    Elas são, de forma geral, bem complicadinhas.
    E, só tenho um acrescento a fazer ao teu post. Quando és prática, daquelas que esclarece logo tudo, portanto um "gajo". Elas não gostam de ti! És uma insensível, c****, e mais uns quantos nomes!

    nadinhadeimportante.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  2. Não me diga que trabalhou nas várias secções da kidzania. Ou seria num liceu? Só dúvidas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por acaso não. Mas aposto que também existem pessoas destas lá e em qualquer liceu.

      Digo-te ainda que não tenho dúvidas de que já trabalhei com muitas pessoas como tu.

      Eliminar
    2. Nem pense nisso, eu venho de uma escola que ensina a retirar o melhor de cada pessoa. Uma coisa tão simples às vezes exige uma enorme criatividade.

      Eliminar
    3. Já deu para ver que não ias muito às aulas.

      Eliminar
  3. Eu com esta mania de ler posts enquanto almoço...ia sendo a desgraça agora, fizezte-me engasgar com o café:) Não falas sobre nada de novo, mas a forma como o fazes fez-me desatar a rir e era uma vez um café...
    Como sabes tenho muita experiência acumulada no assunto que tão bem descreves.
    Vivo-o na pele. Há alguns meses houve um volte face nas pessoas com quem partilhava os momentos livres no trabalho, que pensava serem minhas amigas...como não sou de contos e ditos e se limitaram a deixar de estar comigo, estou até hoje sem saber o que aconteceu, mas como estou de consciencia tranquila a vida segue o seu caminho. Dei uma, uma só, oportunidade que me dissessem o que se tinha passado, ninguém se acusou até hoje. Por isso aqui estou eu, eu, tu, o teu post e o meu café. Entretanto o que é dito nas minhas costas é-me perfeitamente indiferente.

    jinhossssssss

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. fazes bem suri (desculpa o abuso do diminuitivo) em não dar importância a isso. se as pessoas em questão não se deram sequer ao trabalho de te informar do que aconteceu para que pudesses perceber e, quem sabe, expor o teu ponto de vista, é porque não te davam grande valor e era porque elas próprias não eram lá grande coisa... =)

      Eliminar
    2. Não há nada a desculpar MartaM, usar um diminutivo é sinal de carinho que agradeço. Obrigada pela tua opinião Martinha:)..já sou "burra velha"...as intriguices a que as mais novinhas devotam o seu tempo, são para mim uma perda de tempo que é precioso para eu viver com quem me ama;))))) Quanto a ser gajo...a mim já me disseram muitas vezes que sou uma mulher de tomates...isso deve querer dizer qualquer coisa;))))

      jinhossssss (desculpa a intromissão Bruninho:)

      Eliminar
    3. Ainda bem que trabalho num departamento de homens! A única mulher além de mim que há tb é "gajo"!

      Beijinhos!

      Eliminar
    4. Gostos destes pequenos debates que surgem através de um comentário.

      Eliminar
  4. eu que trabalho na construção e por norma o rácio é brutal de homens/mulheres, já chegou a ser 300/0.
    Ia lançar uma critica sobre isso dos homens no começo e assuntos a morrer por ali, mas é só uma norma, porque nem sempre é assim, neste meio vi alguns a serem verdadeiras "bitches" e mulheres a serem mulheres interessantes, cada uma à sua maneira.

    ResponderEliminar
  5. eu nesse aspecto sou muito gajo então. comigo sempre que há um problema, fala-se logo na hora com a pessoa. podem-se dizer cobras e lagartos mas na hora e cara a cara. se no fim ficar tudo resolvido, óptimo. se não ficar, encosto pra canto e não me incomodo mais. ficar a remoer no assunto é que não!!!

    ResponderEliminar
  6. Sei muito bem o que dizes. De facto as mulheres são muito intrigistas e complicadas. E como eu sou um pouco ingénua, não vejo malícia nas coisas que digo ou que oiço dizer, muitas vezes aproveitam-se disso para me lixarem pelas costas. Chegou a acontecer-me eu estar a verificar um processo e aparecer algo que para mim era estranho. E então fui perguntar à colega que tinha atendido o utente se tinha acontecido alguma coisa durante o atendimento que justificasse aquela situação. Ela esclareceu-me e ficou tudo resolvido, mas depois mais tarde veio dizer-me que eu não devia ter falado sobre aquilo à frente das outras colegas porque alguém podia ter percebido que eu suspeitava de um erro dela. Ao que eu lhe respondi que eu nunca pus em causa o trabalho dela, nunca insinuei nenhum erro, além de que era uma situação normal do trabalho. Mesmo que ela tivesse errado não teria problema nenhum porque não era nada de grave e que não se cosneguisse resolver. Além disso, se fosse comigo, eu até ficaria satisfeita por me terem avisado para que eu me pudesse tentar evitar que voltasse a acontecer. Ela ficou muito espantada com a minha explicação e nem comentou, só voltou a pedir para que não acontecesse outra vez. Ora uma pessoa que pensa assim é a primeira a criticar os outros quando comete algum erro e é a primeira a "fazer queixinhas" aos chefes, porque é-lhe impossível conceber que deveria primeiro dirigir-se aos colegas para esclarecer o que se passou.

    beijinho

    ResponderEliminar
  7. Eu sou mulher e tenho que admitir que tens razão. Regra geral, os homens são muito mais práticos e muito menos complicados. Olha, eu, nesse aspecto, sou gajo! :)

    ResponderEliminar
  8. ...claro que há excepções mas concordo quando se diz que nós somos mais complicadas... eo problema principal da complicação das mulheres deve-se sobretudo a sermos muito competitivas e muitas vezes imperar a inveja....é triste mas esta é a realidade...

    ResponderEliminar
  9. Permite-me discordar parcialmente.
    Trabalho com 14 homens e 1 mulher. Ela é a Teresa Guilherme cá do´ sítio. Tenta escavacar a vida a todo o mundo e depois faz o reality show à sua maneira. E vitimiza-se. Mas tenho colegas que são tão. mas tão femininos na personalidade que só falam nas costas, e são veneno puro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acredito que em ambientes como o teu isso seja mais notório nos homens. Agora, imagina que essa mulher tinha mais duas iguais a ela a trabalhar aí...

      Eliminar
  10. Xiiii! Revi no teu texto o meu ambiente de trabalho. E verdade, quase só me dou com homens, e tudo muito mais fácil....

    ResponderEliminar
  11. Verdade, pela experiência que tenho sim. Se bem que eu sou um gajo autêntico.

    ResponderEliminar
  12. nao posso estar mais de acordo. nos trabalhos onde estive com mais mulheres que homens reinava a desconfiança, os boatos, o diz que disse, as zangas... felizmente agora reina a paz, no meio de homens que me respeitam, que sabem brincar, que quando têm algo a dizer dizem na cara mas com a maior das educações... love it. (o pior é saber que eu SOU gaja)

    ResponderEliminar
  13. Estas coisas acontecem a toda a hora ,eu não gosto destas situações cada vez mais, acho que as pessoas em lugar de crescerem ,voltaram todas à escola primária.Até fico surpreendida com atitudes mesquinhas de pessoas que eu achava que tinham educação e afinal só têm formação.Eu sou gajo.

    ResponderEliminar
  14. gajas mulheres complicam sempre... eu sou gajo no trabalho simplifico tudo ao maximo e pronto... e so me entendo a trabalhar com homens, com mulheres estou mais tempo de boca fechada a ouvir mil e uma historia mirabolante... as mulheres so estao bem em conflito... se nao é do cu é das mamas...e por aí fora.

    ResponderEliminar
  15. Confesso que trabalho na sua maioria com homens e dou-me bem com todos. No entanto penso que a diferença não passa pelo sexo mas sim pela maturidade de cada pessoa. Não vale pena chamar a atenção a alguém que não quer dar ouvidos. Já me aconteceu e é uma verdadeira perda de tempo, para além da paciência. Tenho dito :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem observado. Mas isso é muito mais comum nelas do que neles.

      Eliminar
  16. Tens 100% de razão, muitas mulheres a trabalhar no mesmo local, dá sempre problema. Contra mim falo, mas quem diz a verdade não merece castigo. Por tudo isto é que eu prefiro, sem dúvida alguma, trabalhar com homens.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu prefiro ambientes com mais homens ou que tenham homens suficientes para me distrair :)

      Eliminar
  17. Concordo inteiramente contigo. Sempre me relacionei, no emprego ,melhor com homens a quem vejo como amigo e nada mais que isso. A eles diz-se o que se tem a dizer e pronto morre ali , esclarece-se quando é preciso , o que há para dizer e pronto as coisas voltam ao normal. .. É que apesar de ser mulher, não tenho paciência para gente complicada e mesquinha e invejosa nas amizades, de pessoas do diz que se disse.. sejam elas do sexo feminino ou masculino, porque também os há....Felizmente que também tenho amigas que são como eu, mas em minoria é certo.

    ResponderEliminar
  18. Já aqui há tempos tinha comentado o mesmo assunto num outro blog. E sem dúvida que concordo contigo, nós somos mais práticos e menos dados a complicações. Relativamente a mim, especificamente, como sou um gajo directo e frontal, falo logo o que tenho a falar. E ainda esta semana, no trabalho, me disseram "gosto da tua frontalidade".

    ResponderEliminar
  19. Já para não falar daquelas conversas passive-agressive que se começam a ouvir a toda a hora, que, incrivelmente, parece que passam ao lado dos alvos. É uma generalização que até a maioria das mulheres reconhece.
    Tive a sorte de trabalhar num local em que até as gajas eram gajos. E também já trabalhei num ninho de víboras. Nesses casos, como um dos poucos homens, a piada estava em ficar de fora e comer pipocas.

    ResponderEliminar
  20. "E já trabalhei com mulheres que conseguem ser muito mais porreiras do que a maior parte dos homens. Por norma, estas são aquelas a quem digo “para mim és um gajo.”"Nem por acaso, juro que estava há coisa de 2 hrs atrás a comentar cm uma colega minha que a maioria (2 apenas) das minhas amigas são "gajos".. é que têm de ser mesmo, senão, poderá ser um problema..

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não há outra forma sequer.. e, na realidade, os meus melhores amigos, sempre, foram rapazes - e agora homens. Não há tanta complicação. Contudo... hás-de saber e reparar no seguinte. Se a amizade entre um homem e uma mulher for posta em causa, a dor é superior várias vezes do que se fosse entre amigo-amigo ou amiga-amiga. O relacionamento entre pessoas de géneros opostos é totalmente distinto (e estranhamento mais íntimo, mesmo em questões do dia a dia e pessoais) do que as relações homo. O conceito "a melhor amiga" é algo que hoje está completamente ultrapassado..

      Eliminar
  21. @Sou mulher, e de facto, as mulheres são MESMO complicadas. Em contrapartida, somos nós que damos vida a todos os homens, com o nosso sarcasmo e ironia nos momentos oportunos, com o nosso coração na boca.
    Somos uma grande tempestade mas ao mesmo tempo a brisa suave de que todos precisam ;)

    ResponderEliminar