28.10.13

clichés ou leis da vida?

Live. Laugh. Love. Vive. Ri. Ama. Em bom português. Este é capaz de ser um dos maiores clichés sobre a vida. Três palavras de que muitas pessoas gostam. Um mote de vida para alguns. Uma tatuagem para milhões. E nada mais do que um mero cliché para outros tantos. Assumo que para mim chega, muitas vezes, a não ser mais do que um bonito conjunto de palavras que se agrupam na perfeição. Mas será mesmo só isso?

Num minuto celebra-se um nascimento. A vida de uma criança que ainda dá os seus primeiros passos neste mundo. E que está longe de imaginar como é a vida dos crescidos. No minuto seguinte toca o telemóvel. Um acidente. Grave. Um carro sem destino definido. Felizmente, não ficou uma única ferida ou arranhão para contar esta história. Mais uma vez celebra-se a vida. Num registo diferente. Com base no medo de perder alguém. É um festejo de suposições no momento do reencontro. E se não existissem rails na estrada? E se o carro não fosse tão seguro? E se fosse mais gente no carro como é normal? É um mundo de questões que passam pela cabeça de todos. Em loop. Sem parar.

Tudo muda num breve instante. Um segundo é mais do que suficiente para que a vida dê uma volta inesperada. Assustadora. Que leva uma pessoa a colocar tudo em causa. E é nestes momentos que me lembro que live, laugh, love não é apenas um cliché. Não pode ser apenas um conjunto de palavras simpáticas. Tem de ser muito mais do que isso. Tem de ser uma das principais leis da vida. Daquelas que têm obrigatoriamente de ser postas em prática a cada segundo das nossas vidas.

Vive. Com aqueles que realmente são importantes e que ajudam a trilhar um caminho. Ri. Com aqueles que sempre estão presentes na tua vida. E ama. Dando protagonismo a um dos mais belos e nobres sentimentos da vida. E uma das mais sólidas bases de tudo. Um poço de força. Isto pode parecer simples, mas não é. Até porque, no espaço destas três palavras cabem muitos problemas. Contas para pagar. Trabalho para manter. Emprego para arranjar. Família para sustentar. Filhos para educar. Enfim, sobreviver.

Destes problemas não nos podemos afastar. E com eles temos obrigatoriamente de viver, dia após dia. Temos de ultrapassar tudo isto. Com maior ou menor dificuldade. Não há mesmo volta a dar. Mas, existem tantas coisas que podemos facilmente excluir da nossa vida. Coisas insignificantes com que cada pessoa se debate diariamente e a que acaba por dar uma importância excessiva. Coisas, pessoas, problemas, aborrecimentos e por aí fora. É por isto, por telefonemas como o que contei aqui, que live, laugh, love não pode ser um cliché. Tem mesmo de ser uma lei da vida.

14 comentários:

  1. Não podia estar mais de acordo.... Por vezes as nossas vidas mudam em segundos. Há que vivê-las o melhor possível.

    ResponderEliminar
  2. Nossa, lindo!!!
    É belo, é perfeito e não um cliché.

    ResponderEliminar
  3. É por estas e por outras que gosto tanto de passar por aqui!
    Beijinhos
    Maria

    ResponderEliminar
  4. Não podia concordar mais com as tuas palavras :) E por ser lei da vida, vive, ri e ama com toda a tua força.


    http://agatadesaltosaltos.blogspot.pt/


    http://agatadesaltosaltos.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  5. A vida é curta demais para a desperdiçarmos com pequenas e futeis cenas...quando damos conta ja passou :(

    ResponderEliminar
  6. Cliché que deixa de o ser quando a vida descarrila. Cliché que, carece, à prova de dor, de um "eu não te disse?!". E esse dia chega sempre. Essa prova chega sempre.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas quando deixa de ser cliché deve permanecer assim para sempre.

      Eliminar
  7. :) Bem verdade! E às vezes passamos tanto tempo preocupados com coisas que não valem a pena, e que nos impedem de "live, laugh, love"...

    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas é tão fácil esquecer tudo isso. Só depende de nós.

      beijos

      Eliminar